A propósito: Norair quer Fábio como secretário da Saúde em Tanabi

O prefeito eleito de Tanabi, Norair Cassiano da Silveira (PSD), espera que o seu vice, Fabio Ceron, do PSDB, não indique ninguém, como o acertado, para o cargo de secretário da saúde. “Eu gostaria que ele próprio assumisse por se tratar de cargo de muita importância, de visibilidade eleitoral e o município ainda iria economizar, porque ele pode optar pelo salário de vice-prefeito.”

Norair defende que havendo compatibilidade com o cargo que ele tem como assessor parlamentar do deputado Carlão Pignatari, não devia perder a oportunidade.

Dificilmente Fábio vai aceitar o desafio. Não  há compatibilidade, ele  vai precisar abandonar o salário da Assembleia, muito mais valioso do que  irá receber. É muito cômodo para ele, acumular  os salários de assessor e vice-prefeito e ficar bem distante de uma secretaria tão problemática como a saúde. O risco é alto, porém, de outro lado, mostraria um desprendimento comunitário sem tamanho e um desapego ao dinheiro incomum que, eleitoralmente, é pouco visto no meio. É uma prova e tanto que encurta sobremaneira o caminho da prefeitura em 2020.

O prefeito já definiu praticamente todos os secretários. Falta apenas definir o nome de indicação do DEM para a Secretaria da Pessoa Humana. Um dos nomes cogitados é de Márcia Cabrera.

Para a educação irá a professora Edna Cristal, na assistência social, Doemia  Coletta, para a administração,  Alvanir Ventura, para a secretaria de comunicação, Hilton Cristiano, Obras, Cecília Nissida, jurídico Deolindo Bimbato, esportes, Francis da Silva, para agricultura, Orlando Escribone, e administração do almoxarifado, Valdir Pereira.

É um governo feijão com arroz, de nomes e potenciais já bem conhecidos. A grande novidade de fato, será a proposta ao vice, caso venha a se concretizar.  Se não há nomes de excelência, vai contar muito a experiência de dois mandatos do chefe Norair.

Quanto ao DEM. O nome a ser indicado altera quase nada já que é uma secretaria de pouca expressão que não deve ter agradado a legenda.

Rasteira

Nelson Montoro (PSD), o eleito em Monte Aprazível, espera ter em seu governo o jurista Antonio Baldin. O vice-prefeito  e secretário da saúde de Rio Preto e colega de Montoro, inclusive de partido, levou Baldin para  trabalhar com ele.

Momento de glória

Todos os eleitos, prefeitos, vices e vereadores serão diplomados pelos juízes de suas respectivas Comarcas, na segunda-feira, às 10hh. É coisa maçante, cacete pra caramba, só recomendado aos próprios, parentes e tarados por política.

Artista

Os prefeito de Monte Aprazível, Mauro Pascoalão, que deixa o cargo, engana muito bem. Ele proclama que concedeu a transição, mas, na verdade, foi maroto. Não existiu transição nenhuma, ele apenas usou os eleitos, Nelson Montoro e Márcio Miguel para as fotos. Os dois estão às cegas.

ABC

Montoro deu total liberdade para o professor  Pedro Polotto para escolher seus colabores na educação. Não fez qualquer imposição. Pedro aproveitou a deixa para exercer a meritocracia.  Vai ter na administração gente que votou(teoricamente, já que voto é secreto)  nos adversários. Os nomes,  passados na última peneira da palavra final de Montoro, sobrarão do melhor que há na rede municipal.

Puxão de orelha

O Tribunal de Contas do Estado aprovou as contas de Mauro Pascoalão do exercício de 2014, com pesadas ressalvas nas questões financeiras e aplicação de recursos.  2014 foi um ano até fácil, 2015 e 2016 é que serão elas, pois as finanças se deterioram muito. Dificilmente, ele manterá seu nome  como legível. Se não houver sanções mais severas sairá até barato.

Orai por nós

Em 2017, em Monte Aprazível, o aumento da dengue será explosivo. Torcemos para que não corram mortes ou que se não manifestem inovações doentias como chikungunya e zika.

Do arco da velha

Na página 3, o leitor pode sentir  a lambança com que Mauro conduz o meu, o teu, o nosso interesse. Imagine o que é feito em outras áreas menos sensíveis

Categorias: A Propósito,Artigos