R$ 1,5 bilhão vai ingressar na economia da região com início da moagem da cana

A safra 2016/2017, que começa nos próximos dias vai moer 16 milhões de toneladas em 6 destilarias e fornecedores de 28 municípios vão ficar com R$ 150 milhões líquidos

Mesmo com estimativa de queda,  a safra da cana de açúcar deve movimentar algo em torno de R$ 1,5 bilhão nos 28 municípios da região de Monte Aprazível. A safra, que para os associados da Associação dos Plantadores de Cana da Região de Monte Aprazível (Aplacana), deve começar nos próximos dias, deve moer, segundo Márcio Miguel, presidente da Aplacana, de forma global, cerca de 16 milhões de toneladas de cana, das quais 2,4 milhões de toneladas pertencem aos fornecedores associados à Aplacana.

Moreno e Coplasa, respectivamente de Monte Aprazível e Planalto, devem esmagar juntas cerca de 5,5 milhões de toneladas de cana, a Guarani, de Tanabi, deve moer cerca de 2 milhões de Toneladas, a Cofco, de Sebastianópolis do Sul e Meridiano, deve moer aproximadamente 5,5 milhões de toneladas e a Virgulino, de José Bonifácio e Monções, deve esmagar cerca de 3 milhões de toneladas de cana, o que deve gerar em torno de R$1,5 bilhão de reais nos 28 municípios de atuação das usinas.

Desse total, segundo Márcio, cerca de 2,4 milhões de toneladas são canas de fornecedores associados à Aplacana. Da tonelagem da Moreno e Coplasa, fornecedores da Aplacana entregam cerca de 1,2 milhões de toneladas, dos 2 milhões de toneladas de cana esmagadas pela Guarani cerca de 400 mil toneladas pertencem aos associados da Aplacana, dos 5,5 milhões a serem moídos pela Cofco cerca de 700 mil toneladas são de fornecedores da associação e dos 3 milhões da Virgulino algo em torno de 100 mil toneladas são de fornecedores da Aplacana., cana que ocupa uma área plantada estimada em torno de 33 mil hectares. “A área ocupada pela cana da usina não temos como estimar”, diz Márcio.

Da cana entregue pelos associados da Aplacana, os fornecedores devem ficar com algo em torno de R$ 132 milhões a R$ 156 milhões  líquido, descontados os valores gastos com o corte e transporte, mais impostos, já que a tonelada bruta está cotada entre R$ 95,00, perfazendo um valor líquido de R$ 55,00 a R$ 65,00.

Indagado sobre a expectativa de valor a ser fechado da tonelada para o fornecedor neste ano, Márcio diz que “o valor fechado para o fornecedor da cana entregue no ano passado, que é recebido pela média do Estado, foi de R$ 92,32 e a expectativa para a tonelada neste ano é que se mantenha no mesmo valor, com possível ligeira queda”, finaliza.

Categorias: Cidades,Cultura,Monte Aprazível,Nhandeara,Nipoã,Poloni,Sebastianópolis do Sul,Tanabi,União Paulista