Vereador Marcos Paulo propõe CPI para investigar autarquia de abastecimento de água de Tanabi

O presidente da Câmara de Tanabi, vereador Marcos Paulo Mazza (DEM), está coletando assinaturas de colegas para propor, já na sessão ordinária de segunda-feira, a instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito para investigar as receitas e investimentos do sistema de abastecimento de água e esgoto de Tanabi.

Segundo Marcos Paulo, a população deve ter informações precisas sobre o abastecimento de água na cidade, já que, conforme argumenta, nos últimos meses a falta de água em toda a cidade tem sido pontual e no bairro Nova Tanabi tem sido frequente e gerado protestos dos moradores.

“Para a Câmara está claro que a falta de água é devido a falta de investimento no setor e como o sistema de abastecimento gera uma receita de R$ 300 mil mensais, não faz sentido que a população sofra com a falta de água. Está claro que a prefeitura tem uma grande fonte de receita, usa os recursos em outros setores e não investe na manutenção do sistema”, denunciou Marcos Paulo.

O presidente ressalta que não há impedimento do prefeito fazer uso do dinheiro arrecadado com a água e esgoto, mas no seu entendimento, a  prefeitura não pode negligenciar a manutenção do sistema e deve realizar uma prestação de contas com transparência do dinheiro arrecadado.

O objeto da investigação deve ser o de levantar os valores arrecadados, onde foi aplicado o dinheiro, em quais setores e quanto foi gasto em investimentos no sistema.

O Departamento Jurídico vai definir o objeto e sua abrangência no tempo, mas Marcos Paulo pretende que seja amplo, nos últimos 20 anos, desde que o sistema municipal foi terceirizado pelo então prefeito Alberto Víctolo, com a empresa Novacom, a sua sucessora, a Paz Ambiental, no segundo mandato do atual prefeito, Norair Cassiano da Silveira; a revogação da concessão e criação da autarquia (o atual Serviço de Abastecimento de Água e Esgoto de Tanabi), no primeiro mandato de José Francisco, em 2005,todo o mandato da ex-prefeita Bel Repizo e os sete meses deste ano do novo mandato de Norair.

Independentemente da CPI, Marcos Paulo pretende analisar a lei da criação do SAAET sobre a possibilidade de se aplicar nela mecanismo legal que obrigue a aplicação de parte da receita em investimentos de ampliação e manutenção do sistema.

O vereador Dorival Rossi, profissional com larga experiência no abastecimento de água e perfuração de poços (a captação em Tanabi é quase total por poço profundo), concorda com o colega. Para ele, o problema da falta de água é por falta de manutenção do sistema e perda muito grande na rede.

Esgoto     

O vereador Fabrício Missena denunciou, na quinta-feira, que não está sendo feito o bombeamento de esgoto para as lagoas de tratamento há um período de 10 a 30 dias. “As bombas não estão funcionando e todo o esgoto da cidade está indo para o rio, não está havendo nenhum tratamento e se comete um crime ambiental que é inadmissível”, denunciou o vereador, que afirma que as bombas apresentam defeitos no bombeamento com certa freqüência.

Para o vereador, é um descaso muito grande, pois o contribuinte está pagando por um serviço que não está sendo realizado. Além da poluição no Rio Jataí, o vereador diz que os moradores das proximidades das lagoas de tratamento sofrem com o mau cheiro e temem problemas de saúde mais graves.

Fabrício denunciou o lançamento de esgoto in natura no rio à CETESB e notificou a ouvidoria do município e aguarda solução que, não sendo satisfatória, vai procurar o Ministério Público.

O vereador Gilbertinho Ruiz vai requerer da prefeitura informações sobre a coleta e tratamento de esgoto nos distritos de Ecatu e Ibiporanga, “que pode ter os mesmos problemas.”

Categorias: Tanabi