Vereador Gilberto denuncia roubo de tablet e celulares do município na gestão de Mauro

1 tablet, 3 celulares e 1 tripé fotográfico, em uso por ex-assessores não teriam sido devolvidos, segundo parlamentar

Para o vereador Gilberto dos Santos (PDT), alguns ex-assessores do ex-prefeito Maurinho Pascoalão (PSB) podem ter cometido crime de peculato (crime praticado pelo funcionário público que, tendo, em razão do cargo, a posse de dinheiro, valor, ou qualquer outro móvel, público ou particular, deles se apropria).  Gilberto constatou que estão “desaparecidos” um tablet, três celulares e um tripé fotográficos, contidos no rol do patrimônio da prefeitura de Monte Aprazível.  O vereador, através de um segundo requerimento enviado à prefeitura, tenta identificar quem eram os responsáveis pelo uso e guarda dos bens para as medidas cabíveis.

“A única medida cabível é fazer denúncia para a polícia, pois claramente trata-se de um roubo, pois se os aparelhos tivessem sidos devolvidos uma semana, quinze dias do fim da administração passada podia ser entendido como esquecimento, mas nove meses depois, a intenção de ficar com o bem do município está muito clara e isso é roubo”, acusa o vereador.

O caso além de figurar como roubo, segundo Gilberto, aponta para uma questão ainda mais grave, os vícios de gestão e controle interno da prefeitura. “Eu fiz um requerimento nesse sentido em abril, alertando que os aparelhos não tinham sido devolvidos, identifiquei os aparelhos, mas eu não tinha como identificar quem tinha a posse deles, pedi para que a prefeitura identificasse com quem esses aparelhos estavam e tomassem as providências para reavê-los. Nenhuma providência foi tomada e agora encaminhei um segundo cobrando providências”, explicou Gilberto.

Além das providências específicas do caso, Gilberto requer informações mais abrangentes do setor de patrimônio sobre o inventário de bens imóveis e móveis do município, sobre aqueles que estão sob a guarda de servidores e terceiros. “Eu quero saber se o patrimônio tem controle e que esse controle seja seguro de falhas. “Temos que evitar que bens do povo de Monte Aprazível sejam dispostos como se fosse propriedade particular. Se não houver um controle rigoroso desses bens, não tem como garantir a posse deles pela prefeitura, e acabam desaparecendo. Não basta ter conhecimento dos bens e com quem eles estão, precisa ter o controle, checar. O número de bens da prefeitura, sob responsabilidade de funcionários, é muito grande, com valor alto e esse valor consta do balanço, faz parte da contabilidade da prefeitura, sob a fiscalização do Tribunal de Contas”, argumenta o vereador.

Gilberto condena a prática de nomeações política sem critério para o setor. “O cargo de chefe do patrimônio é de grande responsabilidade e é de nomeação política. Muitas vezes, o nomeado não tem a responsabilidade, competência, conhecimento contábil e até mesmo jurídico para o cargo. Não estou sugerindo que quem ocupou o cargo anteriormente ou quem o ocupa agora não estão à altura dele, eu defendo que o setor tenha estrutura adequada, tenha formas de controle eficientes e nomeação criteriosa no sentido de se evitar pesados prejuízos.”

Os bens “desaparecidos” somam mais de R$ 5 mil e Gilberto desconfia que se seu requerimento for respondido cuidadosamente, podem-se identificar novos casos.

Categorias: Monte Aprazível