Desempregados e descontentes com trabalho se lançam em negócios próprios

Empreendedores fazem de garagens e edículas espaços para fugir da crise ou da rotina estressante

Desempregados e subocupados no país somam um exército de 25 milhões de brasileiros e para muitos, a saída dessa situação dramática é o empreendedorismo para sobriviver à grave crise econômica. Na região, não é diferente: vários pequenos negócios e pequenos empreendedores se lançam no mercado, por necessidade extrema ou mesmo para deixar a atual atividade estressante e fazer o que gosta.

Paulo Cesar Minuci de Sousa é um desses novos empreendedores. Representante comercial há mais de 28 anos, ele diz que começa a pensar em parar de pegar a estrada e resolveu realizar um sonho antigo, trabalhar no ramo de alimentação. “Viajo há mais de 28 anos vendendo roupas, faço a região de Presidente Prudente, Marília, municípios da divisa do Mato Grosso com o Paraná. Viajo cerca de 1 mil a 1,2 mil quilômetros por semana e a estrada cansa e os gastos estão aumentando, uma hora a gente precisa parar. Por isso, resolvi mudar de ramo e entrar para o ramo de alimentação. Meu sonho sempre foi ter uma lanchonete ou restaurante porque gosto muito de cozinhar, mas resolvi começar com algo menor, um lanche na garagem de casa  para testar o mercado”, diz.

Atualmente ele vem conciliando os dois serviços. De segunda a quarta ele viaja com a representação e de quinta a domingo trabalha na sua Tuca Lanches, montada na garagem de sua casa para evitar  gastos com aluguel. “Adaptei meu escritório e a garagem de casa para a lanchonete assim evito gastos com aluguel”.

Ele conta que está satisfeito com o desempenho do negócio aberto há 3 meses. “Nós esperávamos vender um determinado número de lanches e temos vendido o dobro – conta –  é totalmente diferente do ramo de roupa, mas é gostoso, só é cansativo na quinta feira quando durante o dia preparo os alimentos para a montagem dos lanches, mas na hora que está trabalhando é tranqüilo”. Paulo, que trabalha com a esposa Selma, diz que estão gostando tanto que “mais para frente pretendemos colocar mais opções de lanche no cardápio”.

Dalvana Pereira de Oliveira também é uma dentre os novos empreendedores de Monte Aprazível. Depois de trabalhar mascateando roupas durante 7 anos, ela teve um desentendimento com a patroa, pediu demissão e após procurar empregos em diversos segmentos na cidade, resolveu abrir seu próprio negócio: a barbearia Novo Estilo.

Ela conta que aos 18 anos começou a cortar cabelo por brincadeira, “cortava o cabelos de uns primos e amigos mais chegados e eles começaram a gostar, tanto que eu trabalhava durante o dia e cortava cabeço a noite, mas aí surgiu a oportunidade de trabalhar como mascate e ganhar mais, então resolvi deixar de cortar cabelo para trabalhar registrada”.

No entanto, ao ficar desempregada, Dalvana resolveu voltar ao antigo sonho de abrir uma barbearia. “Depois de procurar emprego e não encontrar voltei a trabalhar como barbeira novamente. Montei um salão no fundo de casa, porque foi a opção que tive para trabalhar sem ter despesas com aluguel e vários tributos e assim poder começar”.

Ela conta que está adorando a experiência. “É um sonho que estou realizando aos poucos. É muito bom trabalhar para a gente mesmo e fazer o que a gente gosta. Estou satisfeita, embora eu pretenda crescer muito mais, tanto que tenho feito vários cursos, todos considerados top no ramo da barbearia”.

Itamar Antônio Soares também está dentre os novos empreendedores de Monte Aprazível. Depois de 9 anos trabalhando como motorista de caminhão e de ônibus ele diz que cansou da antiga profissão. “As viagens estavam cada vez mais longas, para Minas Gerais, Goiás e até Panamá, estava cansado da estrada, por isso resolvi montar um lanche”, conta.

Há 3 meses ele montou o Varanda’s Lanches, num pequeno trailler instalado na frente de sua casa. “Foi uma atividade que deu certo para eu ficar perto de casa, sem despesas com aluguel e da qual eu já tinha conhecimento, porque meu pai trabalhou mais de 15 anos servindo lanches”.

Ele diz estar satisfeito com o negócio. “Estou achando uma maravilha, apesar de ficar mais preso, sem poder sair, porque abro de segunda a segunda, estou contente. Tem sido gratificante. Não tenho do que reclamar”, enfatiza.

Larissa Carolaine Gonçalves também resolveu empreender depois de ter ficado desempregada. Após estagiar num órgão público durante dois anos ela ficou sem emprego e resolveu vender roupas de casa em casa como forma de ter um rendimento e poder estudar.

Ela começou a vender roupas e semijóias há cerca de um ano. Escolheu esse ramo porque afirma sempre ter gostado de vendas. “Foi a forma que encontrei de ganhar dinheiro, fazendo o que eu gosto e ter tempo livre para estudar porque faço faculdade”.

Ela diz estar gostando da experiência. “Não quero trabalhar pros outros nunca mais. É melhor, a gente faz os próprios horários e minha remuneração depende do meu desempenho, então quanto mais eu trabalho mais eu ganho”, diz.

Sebrae

Ricardo Piovesan, analista de negócios do Sebrae, diz que tem aumentado a procura por micro-empreendedores. “A falta de emprego associada à vontade de abrir seu próprio negócio tem elevado a procura por micro e pequenas empresas, especialmente o micro-empreendedor individual, porque tem carga tributária reduzida, é menos burocrática e mais fácil de administrar”, diz.

Ele diz que para esse negócio prosperar são necessários alguns cuidados. “É preciso fazer uma análise de mercado e fazer um bom planejamento, além de ter conhecimento na área e gostar do que faz principalmente. Ele tem que saber o quanto vai investir,  o prazo de retorno desse investimento, o público que pretende atingir, enfim, tem que planejar tudo antes”.

O Sebrae, segundo Ricardo dá total apoio  quanto a gestão empresarial. Para obter mais informações basta o interessado se dirigir ao posto do Sebrae em Monte Aprazível, que funciona anexo à Associação Comercial e Industrial da cidade. O atendimento é de segunda a sexta-feira das 8h30 às 18 horas.

Ricardo diz ainda que o Sebrae realizará duas palestras voltadas também para esses empreendedores em Monte Aprazível. A primeira será realizada no próximo dia 21, às 19 horas no auditório da ACIMA, sobre como vender melhor no Natal a outra será realizada no dia 28, também às 19 horas, no mesmo local, e terá como tema a formalização de empresas. As inscrições estão abertas e são gratuitas, basta dirigir-se ao posto do Sebrae para se inscrever.

Categorias: Geral