Desemprego aumenta em Monte e oferta de vagas cresce em Tanabi

Os números do Cadastro Geral de Emprego e Desemprego do Ministério do Trabalho referentes a outubro revelam um cenário de esperança em meio ao drama do desemprego para trabalhadores de Tanabi e de incerteza para o assalariado de Monte Aprazível. Não se trata de uma situação pontual, de outubro, a trajetória de contratação em Tanabi é consistente ao longo dos dez meses do ano, enquanto em Monte elas estão em direção inversa.

Somente em outubro 156 trabalhadores de Monte Aprazível não terão salário em novembro, elevando para 1.928 o número de pessoas que perderam o emprego na cidade ao longo do ano, contra 1.071 que ficaram sem trabalho em Tanabi.

O corte de vagas em outubro foi sentido especialmente no setor industrial, que perdeu 97 vagas no mês, reduzindo para menos da metade (88) o estoque (diferença entre contratações e demissões) acumulado de vagas abertas no setor durante o ano. Situação inversa experimentada pela indústria tanabiense que tem um estoque positivo de 242 vagas, resultado da diferença de 678 contratações e 436 dispensas. Em Monte, em 10 meses, a indústria contratou 357 e dispensou 269 trabalhadores.

Mas é o comércio monte-aprazívelense que está vivendo em estado de penúria, responsável pelo maior índice negativo sobre o estoque de vagas, apesar de ter contratado mais que demitido em outubro. Porém, no ano, o setor apresentou desempenho lastimável, com 606 contratações e 835 demissões.

Com um comércio mais acanhado e menos sofisticado, a situação do setor em Tanabi foi positiva, com 298 contratações e 281 demissões, sobrando um saldo até aqui de 17 vagas.

A concentração de empresas agrícolas canavieira em Monte Aprazível é uma riqueza apenas aparente e os números mostram que a monocultura ajuda pouco. Com agricultura mais diversificada e menos ostensiva, Tanabi ofereceu 183 empregos no campo em 2017, contra 112 em Monte. Lá se fechou mais vagas, mas terminou com um superávit superior ao de Monte.

Outubro mostra que a situação deve se estabilizar em Tanabi e se agravar em Monte com o fim da safra da cana que vai ocorrer no final do mês. As 19 demissões no mês em Monte representaram um índice negativo de 3,47%, enquanto que em Tanabi, a relação contratação/demissão foi positiva em 0,23%

O setor de serviços foi mal em Tanabi em outubro e não se alterou em Monte, com o número de admissão igual ao de demissão. No ano, porém, em Monte foi muito melhor, criando-se 69 vagas, contra apenas 20 em Tanabi.

Na construção civil, a situação nas duas cidades em outubro ficou muito próxima, mas no ano há um abismo entre elas. O saldo positivo em outubro, em Tanabi, foi de quatro vagas e em Monte de dois. No ano, Tanabi teve um saldo positivo de 49 vagas, com 86 contratações e 37 demissões; Já em Monte, o volume foi muito maior em contratações, 490, mais ainda maior foram as demissões, 529, gerando um índice negativo em relação ao período de 2016, de 12,38%.

No ano, até aqui, Monte Aprazível acumula um estoque de demissões 100% maior do que o verificado em dezembro de 2016. Em dezembro do ano passado, Tanabi terminou o ano com 110 contratações  a mais do que as demissões.  Em outubro, de 2017, o estoque de admissão foi elevado em mais de 250%, subindo de 108 para 380.

Categorias: Geral