Emplacamento de carros novos caiu 80% em relação a 2014

Uma das principais referências para medir a crise econômica, o número de emplacamento de veículos caiu consideravelmente nos últimos anos. O resultado negativo interrompeu uma sequência de recordes batidos até 2014.

Oswaldo Pancieira, da Despachante Aprazível, diz que “no meu escritório os emplacamentos caíram demais” e ele atribui o fato à crise econômica. “Antigamente as pessoas trocavam de carro quase que anualmente, agora ficam o mesmo carro por muitos anos. A crise está dificultando muito”.

Segundo Osvaldo, aumentou procura por zero Km com isenção

Oscar José Roberto Gomes, da Oscar Despachante, diz que o emplacamento de carros e motos zero caiu cerca de 80%. “Até 2014 estava um movimentão, saia um cliente, entravam três. De 2015 para cá caiu bastante. Hoje são apenas aqueles clientes que estão sobrevivendo à crise”, comenta.

Eles perceberam também mudança no perfil do público que emplaca carros novos. Pancieira diz que “o pessoal está comprando mais carros completos, com ar condicionado, direção hidráulica e até automático. Os modelos mais populares já quase não tem procura, mas o que aumentou bastante foi a carteira de habilitação para portadores de necessidades especiais, porque a lei favorece muito esses casos com isenção de IPI e ICMS na compra e depois com isenção de IPVA, o que aumentou muito o licenciamento de veículos novos.

De acordo com ele, os veículos mais emplacados agora são na faixa de R$ 80 mil, R$ 90 mil para baixo. “Muitos motoristas com problemas de coluna, câncer, fibromialgia, sequelas de poliomielite, nanismo, próteses de joelho e quadril, safenados, autistas e com sequelas de acidentes entram com processo para tirar veículos novos com isenção de IPI e ICMS”.

Oscar também percebeu essa mudança no público que tira veículos zero. “Aumentou muito o público que tira carro zero com isenção de IPI e ICMS. Esse é o tipo de procura que mais aumentou no escritório, porque nós fazemos o processo aqui, então sempre tem gente interessada nesse benefício”, encerra.

Categorias: Economia,Sem categoria