Com pediatria em funcionamento, Santa Casa perpetua memória do pediatra Dr. Osvaldo

Hospital investe R$ 120 mil  e nova ala começa a operar com 10 leitos, a  metade da capacidade total

 

A ala pediátrica da Santa Casa de Misericórdia de Monte Aprazível foi inaugurada no último sábado com a metade da capacidade de leitos. João Roberto Camargo, provedor da entidade, diz que seriam necessários R$ 250 mil para mobiliar todos os quartos da pediatria, como só dispunham de R$ 120 mil mobiliaram a metade. “Mas o importante é que as acomodações melhoraram, já que a pediatria vinha funcionando em local adaptado”, diz.

A ala pediátrica que leva o nome do pediatra Osvaldo Perezi Filho foi inaugurada com 10 leitos, 60% deles reservados para atendimentos do SUS (Sistema Único de Saúde) e 40% reservado para atendimentos através de convênios médicos. Dos R$ 120 mil empregados na compra de equipamentos e mobiliários 60% foram recursos próprios da Santa Casa e 40% recursos oriundos de doações.

Camargo diz que os esforços agora estão concentrados para equipar os demais quartos de modo que consigam aumentar a capacidade de internação. “Estamos na corrida para acabar de equipar a pediatria para trabalhar com a capacidade total dela. A qualidade e o atendimento sãos os mesmos, contam com excelentes profissionais e tem o doutor Luiz Antônio Munhoz Bogas e a doutora Márcia Helena Gonçalves de Oliveira como responsáveis, mas o que melhorou foram as acomodações”, enfatiza.

Doutor Osvaldo

A ala pediátrica da Santa Casa foi batizada com o nome do pediatra Osvaldo Perezi Filho, médico que atuou na Santa Casa por mais de 40 anos. A homenagem foi merecida, pois doutor Osvaldo, um apaixonado pela pediatria, passava finais de semana e feriados dentro da Santa Casa prestando atendimento.

Osvaldo Perezi começou sua vida profissional em Macapá, no Amapá, onde permaneceu durante aproximadamente cinco anos, mas voltou Monte. Atendeu na Santa Casa, participando da provedoria, e em consultório particular.

Apaixonado pela medicina e por crianças, Osvaldo dedicou toda sua vida para atendimento aos pequeninos e mesmo aos pacientes adultos, que insistiam em serem atendidos por ele mesmo já estando na fase adulta. Seguramente quase todas as pessoas com menos de 50 anos de Monte Aprazível passaram pelas mãos do doutor Osvaldo, que possuía pacientes também de cidades vizinhas.

A terapeuta ocupacional Rosiane Cristiane Fochi da Costa, 43 anos, é uma dessas pacientes. Ela conta que começou a ser atendida pelo doutor Osvaldo aos dois anosl e foi paciente dele até na vida adulta. Os três filhos de Cristiane, Rafaela de 15 anos, Lucas de 12 anos e Mariana de 10 anos, também foram pacientes do doutor Osvaldo. “A minha caçula passou com ele uns 10 dias antes dele falecer”.

Ela diz ser muito grata ao médico. “Ele era um tipo de médico de família. Conhecia todo o histórico da gente, não tinha dia e nem horário para atender. Por diversas vezes nos atendeu em sua própria casa, inclusive de madrugada. Ele dava até o número do celular dele para a gente entrar em contato nos finais de semana. Eu sou muito grata a ele, que era de uma bondade e de uma sabedoria ímpares. Ele nunca errou num diagnóstico nem meu nem de meus filhos. Ele realmente fez a diferença como profissional e como ser humano. Era um ser iluminado. Tínhamos uma proximidade muito grande. Eu tinha uma confiança muito grande nele. Tanto que quando ele faleceu há um ano eu senti como se fosse a perda de um entre da minha família”, conclui.

Categorias: Monte Aprazível