Por uma política que inclua o povo, Tanabi tem candidatos à ALESP e Câmara Federal

Murilo Amati e Valdir Uchoa têm como proposta a educação do eleitor através do debate político popular

 

Numa região marcada pelo conservadorismo, mais até, afeita ao comportamento vira-lata da passividade colonizada em que os cargos eletivos devem ser exercidos por “cidadãos de bem (no sentido de propriedade, bens móveis e imóveis)”´, dois candidatos se lançam com propostas socialistas e populares na defesa da inclusão política e da exclusão dos preconceitos sociais, de cor, raciais, religiosos, sexuais, alojados em um partido, o PSOL, aliado dos movimentos populares como Sem Terra, Sem Teto, Povo Sem Medo.

Murilo Amati, 28 anos, professor da rede municipal, desde a última segunda-feira, começou a testar praxes políticas que quer levar à Câmara Federal, no Legislativo de Tanabi, ao assumir a cadeira da vereadora Rose de Paula, em licença médica.

Valdir Uchoa já passou pela Câmara tanabiense por dois mandatos e, em 2016, tentou ocupar a prefeitura, obtendo 16% dos votos válidos. O presidente do PSOL, que acumula a presidência do Lions Club e do Sindicato dos Policiais Civis da Região de Rio Preto, vai tentar uma vaga para a Assembleia Legislativa.

Educação

Professor da rede municipal, Murilo abriu mão de lecionar na estadual, por considerar que nos “23 anos de governo do PSDB”, houve o desmonte da educação, “com escolas deterioradas, professores distantes dos alunos, dos pais, e um ensino sem propostas inovadoras.” O candidato aprova a municipalização, justamente por estar mais próxima da clientela e, havendo vontade política, é possível criar meios para discutir os erros e acertos no setor.

Murilo pretende usar sua rápida passagem pela câmara municipal como vitrine do que pretende fazer em Brasília. Ele vai propor a discussão sobre temas polêmicos, como mobilidade urbana, arborização, plano diretor, mas o debate não deve se limitar aos vereadores, mas sim estendido para a população, que, deve também, discutir, debater e “estar presente e acompanhando a atuação dos diversos conselhos municipais.”

Murilo defende que a atuação do vereador, ou deputados, deve ter sua atuação ampliada e mais racionalizada, não se limitando às indicações “pra colocar um poste aqui, outro ali. Havendo discussão com a população, ficam definidas as prioridades e o prefeito se encarrega de executar,”

Para Murilo, é tarefa do vereador também dar educação política ao povo, forçando a abertura de abrir espaço para participação popular das decisões do Executivo e Legislativo. Já na primeira sessão de que participou na Câmara, do celular 99759 0577, ele enviava e recebia mensagens pelo grupo de eleitores sobre o que estava sendo votado na sessão. É através do celular que ele vai dividir o mandato de vereador e de deputado, se eleito. Mas é pouco, ele e o colega Valdir dizem que as instituições dos legislativos e executivos devem se abrir mais para as discussões populares.

Segurança

Investigador chefe da DISE, Valdir Uchoa concorda com os paulistas de que a falta de segurança é o maior problema de São Paulo, onde o PCC se criou na sombra dos governos do PSDB e se ramificou nacionalmente nesses 23 anos do tucanato. “E nada vai mudar se o PSDB continuar no governo.”

As polícias têm medo. Essa é a constatação do experiente policial, diante das corporações civis e militares “envelhecidas, de delegacias sem estrutura, sem equipes para investigar, com policiais civis e militares com baixos salários.” Uma polícia com medo, como admite um policial com 23 anos na corporação, “não tem como oferecer segurança.”

Valdir sabe da importância de ter uma polícia que investiga, que faz ronda e está perto do cidadão, é vista pelos moradores, o que não se vê em São Paulo, segundo ele. Mas admite que isso apenas não basta. Segundo ele, o PSDB não desmontou apenas a segurança, o desmonte foi geral. “Só existe segurança pública se houver educação, se houver políticas culturais para os jovens, se houver política de emprego e trabalho, se houver saúde decente e vida digna e em São Paulo não existe nada disso.”

Valdir condena o PSDB por não ter dado a devida atenção para a segurança. Mas também condena “soluções esdrúxulas” de outros candidatos. “A solução não é armar a população. Segurança é uma responsabilidade do Estado”, resume;

Como seu colega Murilo, Valdir também dá muita ênfase na participação e inclusão da população nas discussões dos problemas do Brasil, dos estados e dos municípios.

Categorias: Política