Márcio conta com frigorífico de peixe e novo Distrito Industrial para vencer desemprego

Prefeito tem atuado para liberar entraves do CETAQ e na revitalização da política de geração de renda em emprego

 

O prefeito de Monte Aprazível, Márcio Miguel, conta com a ativação do Cetaq (Centro de Educação Tecnológica em Aquacultura), um centro de ensino, tecnologia de criação e abate de peixes e pescados, paralisado há mais de 10 anos, para incrementar a economia da região. Além da escola de aquacultura, o prefeito tenta viabilizar outros projetos de geração de emprego e renda.

O Cetaq não entrou em operação por falta de prestação de contas de recursos recebidos do governo federal quando de sua construção há mais de 10 anos. Márcio em parceria com a direção do Cetaq fez gestões junto ao FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação) para a regularização da prestação de contas e aguarda um desfecho positivo. Caso isso se confirme Márcio diz que existem investidores interessados em implantar um frigorífico no Cetaq de Monte Aprazível.

Além desse projeto, o prefeito possui também alguns outros que visam atrair empresas para o Distrito Industrial da cidade. É o caso da fábrica de papel toalha que está em fase de implantação no município. “Aos poucos temos investido também na capacitação das pessoas, através das parcerias firmadas com a Estação Aprendiz, Sindicato Rural, Associação Comercial e Sebrae, com vistas a capacitar nossos munícipes seja para o primeiro emprego ou para a recolocação no mercado de trabalho”.

Márcio diz que a questão do desemprego é geral, “não é um problema exclusivo de Monte Aprazível, mas do país como um todo, em decorrência do baixo percentual de crescimento econômico do país, mas temos empresas como a Real Montagens, Ônix Agrícola, FM Agrícola, Laticínio Tirolez, usina Moreno, MM Gabinetes, MPS que ajudam a sustentar a questão do emprego no município e vejo que nosso comércio está sofrendo em decorrência da estagnação econômica do país, porém são raros os casos de fechamento de lojas, que também ajudam a manter os empregos na cidade”, comenta.

Márcio diz que a agricultura também é responsável pela geração de emprego e renda no município e espera que a situação melhore para os produtores. “Eu vejo uma melhora nos próximos anos no setor sucroenergético, que é o grande gerador de empregos não só no nosso município, mas também no Estado de São Paulo. Os produtores tem cada vez mais diversificado seus plantios, intercalando a cana com soja, amendoim e milho, entre outras culturas, fazendo com que melhore um pouco seu caixa e também o emprego na zona rural”.

Ainda com relação à agricultura, Márcio diz que há anunciado um déficit na produção mundial de açúcar que deverá ocorrer ao longo dessa safra, além do fato do barril do petróleo se manter em patamares acima de 65 dólares, o que manterá o preço da gasolina no Brasil e consequentemente melhorará o preço do etanol ao produtor. “Além disso, o setor aguarda a implantação do Renovabio que será um estímulo muito grande para a indústria e produtores, que há anos tentar obter um benefício por produzirem um combustível sustentável e renovável, contribuindo assim com o meio ambiente”.

Com relação ao Distrito Industrial do município, Márcio diz que aguarda o desfecho do inquérito judicial aberto pelo Ministério Público para apurar escrituras emitidas pelas administrações anteriores. “Acredito que esteja sendo discutido o cumprimento das exigências da lei que regulamenta o distrito, mas assim que o caso se resolver decidiremos quais medidas iremos implantar na área para atrair novos investidores. Pensamos até numa possível flexibilização na carga tributária como estímulo para novos investimentos. Além disso, temos uma área próxima a Avenida Antônio Canheo que estamos avaliando para colocá-la à venda. Com o recurso a prefeitura irá comprar uma área muito maior, que será destinada a implantação de um novo distrito industrial e casas populares”, diz.

O prefeito diz ainda que está avaliando alguns terrenos que existem no distrito industrial e que também pretende colocá-los a venda de modo que algumas empresas já instaladas na área possam ampliar seus negócios e consequentemente gerar mais empregos.

Proprietários de empresas instaladas no distrito industrial reclamam de descaso da prefeitura. Entre as reclamações estão as de que o distrito está tomado pelo mato, que a maioria dos terrenos só tem calçada, quando tem, na frente e até de fiação elétrica caída, além da obstrução do trecho da Rua Natalino Minuci entre a FM Agrícola e a Real Montagens, onde só passa um veículo por vez por causa da erosão no asfalto. O prefeito diz que já tomou providências em relação a maior parte das reclamações. A primeira delas foi de iniciar a roçada em todo o distrito, “também já desobstruímos a área que liga a Real Montagens a FM Agrícola. Estamos apenas aguardando o tempo firmar para implantar a massa asfáltica quente. Acredito que dentro de mais uns 15 dias o problema estará totalmente resolvido”.

Categorias: Monte Aprazível