Rotary e Dom Bosco fazem campanha por doação de medula

A captação de doadores continua neste sábado com técnicos do hemocentro fazendo coleta na Câmara de Monte Aprazível

 

A semana foi marcada em Monte Aprazível pelo trabalho de conscientização sobre transplante de medula óssea com atividades e palestra na Faculdade Dom Bosco que se encerrou com o cadastramento de centenas de estudantes como doadores e o Rotary Club de Monte Aprazível ampliando a campanha na busca de doadores na comunidade. Nesse sentido, o clube de serviço realizou na  quinta-feira  palestra no Centro Cultural com o hematologista do Hemocentro de Rio Preto, Otávio Ricci Junior, sobre transplante de medula e os procedimentos para se tornar um doador e participa neste sábado das 9 às 14 horas da campanha que coletará 5 ml de sangue para captar doadores de medula.

Rogério Prudêncio, presidente do Rotary local, diz que o objetivo do clube de serviços é ajudar a conscientizar a sociedade sobre como funciona o transplante de medula e os procedimentos para se inscrever como doador. Segundo Vanderlei Pereira, diretor da faculdade, a instituição pretendeu ampliar o debate sobre doença tendo seus alunos como doadores e multiplicadores de informação.

Segundo Rogério, o Rotary também em outros setores da saúde. Participa de campanhas contra a Poliomielite, contra o sarampo, de combate à hepatite e ajuda com recursos na aquisição de equipamentos na área da saúde, como aconteceu com a UBS do Jardim do Lago que recebeu equipamentos adquiridos com recursos provenientes do Rotary Internacional por intermédio de projeto protocolado pelo Rotary de Monte Aprazível. O clube também ajudou com mobiliário para quartos da casa de apoio de Barretos e Rogério diz que haverá outras iniciativas sempre que houver necessidade.

Medula

Neste sábado das 9 às 14 horas o hemocentro de Rio Preto estará na Câmara Municipal coletando 5 ml de sangue de pessoas interessadas em se cadastrar como doadoras de medula óssea no REDOME, órgão do Ministério da Saúde responsável pelo cadastramento de doadores.

Se a pessoa concordar em ser cadastrada no REDOME, além de algumas informações pessoais que serão utilizadas para preenchimento da ficha de inscrição, será coletado 5 ml de sangue para a realização de um exame chamado Exame de Histocompatibilidade, aonde serão identificadas as características de suas células.

Para se tornar um doador de medula óssea é necessário ter entre 18 a 55 anos, estar em bom estado de saúde, não ter doença infecciosa transmissível pelo sangue, como infecção pelo HIV ou hepatite e não apresentar história de doença neoplásica, como câncer, hematológica ou autoimune, como lúpus eritematoso sistêmico ou artrite reumatoide.

Categorias: Monte Aprazível