DEM de Tanabi iniciou guerra interna por indicação em luta por indicação em 2020

Marcel pretende ser vice de Valdir, ala mazzista quer caminhar com Zé Francisco e Samuel quer ficar com Norair

 

O anúncio do nome do advogado Marcel Cadamuro como vice na chapa de Valdir Uchoa para a disputa da sucessão do prefeito Norair da Silveira levantou fervura no caldeirão do DEM, até aqui com as ações políticas conduzidas em banho maria pela ala dos filiados controlada pelo vereador Marcos Paulo Mazza e por seu pai, João.

Marcel Cadamuro, o Espoleta, disparou o tiro pela corrida eleitoral no partido, tirando do conforto seu primo e presidente da sigla e ocupante de cargo no governo de Norair, Samuel Salomão, e os mazzistas que articulam uma frente de  partidos que se opõem à candidatura  do prefeito à reeleição.

Marcel jogou água fria nessa articulação demista e o partido ficou pequeno para acomodar tanto interesse divergente. É muito difícil que a ala mazzista tope embarcar na candidatura de Uchoa e que o presidente Samuel desembarque do governo de Norair. Este tem decisão melindrosa: o quê fazer com a irmã de Espoleta, também com cargo em comissão no governo.

Esse cenário ainda fecha portas para a pretensão de candidatura do vereador Fabrício Missena,  coloca pá de cal na carreira política de Fábio Ceron e obriga o ex-prefeito José Francisco a se declarar candidato ou não.

 

Dificuldades   

Levar o DEM para coligação com o partido que nem mesmo Valdir, o candidato a prefeito, ainda não definiu qual, Marcel sabe que as resistências serão muitas. Ele aposta na legitimidade da pretensão  e de colocar o apoio demista ao candidato Valdir, de outro partido, argumentando ser filiado ao DEM, o único partido em que cerrou fileiras. 

Há um porém,  aí.  O DEM de Tanabi não é partido em que o conjunto de filiados decide alguma coisa. É uma “caciquia” em que o vice-governador Rodrigo Garcia, é também o pajé e o próprio tupã. Se valer alguma coisa o pertencimento ao clã do cacique, pode dar certo. Espoleta é primo de Rodrigo e vai usar do parentesco para o convencimento.  

Se a composição com Valdir for interditada, só restará a Marcel procurar outra legenda, alternativa, já  no radar de Valdir, bem cético de ter o DEM em sua chapa O presidente da sigla, Samuel Garcia Salomão, primo do vice, como denuncia o sobrenome, oferece alternativa e sugere que Marcel reivindique ser o candidato a prefeito. Vice, por vice, é claro, na chapa de Norair há vaga.

O pretendente garante que o acordo pessoal com Valdir está fechado, mas a divulgação oficial, que aconteceria nesta semana, acabou transferida para a semana que vem. Marcel alegou ter questões pessoais a resolver antes, sem adiantar detalhes. Por pessoais, não tem razão de expô-las, mas a reportagem apurou que Marcel dependerá de anuência familiar e, em política, sem envolvimento da família não há candidatura que prospere.

Os mazzistas

Marcos Paulo confessa ser Rodrigo o dono do partido, que a decisão dele será acatada e qualquer definição sobre a intenção do Marcel só se dará depois de dezembro. Segundo ele, será no final do ano a efetivação da Executiva Provisória do partido, através de um novo Diretório Municipal com eleição de nova Executiva.

O líder mazzista reconhece a legitimidade da pretensão de Marcel, mas adianta ser ela uma das alternativas. “O partido, em dezembro, pode decidir por uma candidatura própria ou por uma  composição com outros partidos que apoiem um outro candidato com chances de derrotar Norair”, antecipa.

Em caso de candidatura própria, ele apresenta seu nome e garante que o DEM tem outros filiados em condições de pleitear também. No caso de composição com outro candidato, o DEM entraria com a vice. Em qualquer situação, ele argumenta que dois mandatos de vereador consecutivos e a presidência da Câmara, o colocam em vantagem na preferência.

Para ele, a primazia do parentesco de Marcel com o vice-governador, não terá nenhum peso, pois “Rodrigo não mistura parentesco e política.”  Se o critério for só político, Marcos Paulo sai na frente, apadrinhado do deputado Geninho Zulian, vice-presidente e coordenador político do DEM no interior.

“No momento estamos discutindo com o MDB, o PSDB, o PSD e outras lideranças, como Zé Francisco (de Mattos Neto, ex-prefeito) uma união contra a candidatura de Norair, sem nomes definidos”, informou Marcos Paulo.

Essa costura de união contra  Norair tem muita chance de prosperar com José Francisco candidato e, se viabilizada, Rodrigo teria de tapar o nariz e o ex-prefeito também. O vice-governador, politicamente, defende todas as posições que José Francisco condena, além de  representar o governador Dória, o presidente Bolsonaro e o ministro Guedes, gente que o ex-prefeito abomina. 

Mas tudo bem. José Francisco tapa o nariz pelo apoio e Rodrigo tapa o dele com o DEM na chapa, para azar de Norair. 

Samuel

O presidente do partido, Samuel Garcia, crê que Marcel tenha se precipitado, já que o partido será reformulado em dezembro e  só lá tomará posição  sobre a eleição do ano que vem. E confirma que tudo será decidido conforme a vontade do cacique Rodrigo. Samuel entende que Marcel deve colocar a sua candidatura dentro do partido, mas para o cargo de prefeito,  “como também tem direito de se posicionar como candidato a prefeito o Marcos Paulo ou qualquer outro filiado”

Samuel adianta que se a posição dos mazzistas em aceitar uma composição com José Francisco prevalecer, ele fica onde está, com a candidatura de Norair. E se Marcel insistir em caminhar como vice de Valdir, o presidente aconselha: “É melhor ser vice de Norair.”

Mas, as coisas só ficarão claras no DEM, quando o cacique Rodrigo se manifestar, depois de dezembro.

Categorias: Tanabi