Escolas públicas e particulares investem no ensino online para manter vínculo com aluno

Gestores não têm como avaliar aproveitamento ainda, mas adiantam que nada substitui a sala

 

Na situação inusitada do isolamento social, a criação de um modelo pedagógico se tornou desafio tão grande quanto o combate ao coronavirus. Diante de escolas fechadas por tempo indeterminado a rede pública e privada têm se valido do recurso de aulas online para manter o vínculo com alunos e famílias.

O assessor de Educação de Monte Aprazível, Pedro Poloto, diz que na rede municipal de ensino os conteúdos têm sido passados inicialmente através de grupos de WhatsApp. “Através dos grupos estão sendo enviadas as atividades e orientações de estudo e de acordo com a faixa etária e necessidade específica, o material está sendo impresso e entregue nas escolas”.

Adotado há vinte dias, o ensino online está sendo trabalhado só com revisão de matérias dadas anteriormente. “Estamos passando também algumas atividades que os alunos consigam resolver de modo autônomo, mas estamos nos preparando para iniciar novos conteúdos”.

O assessor diz que os conteúdos têm sido enviados de forma que atinja todos os alunos da rede, inclusive da zona rural. “Além do WhatsApp, temos o material impresso para quem não tem internet. Nós estamos atingindo nosso objetivo. Cerca de 80% da rede está participando, percentual que consideramos satisfatório, porque em situação normal, de aulas presenciais, o aproveitamento nunca é de 100%”.

Apesar do envio do conteúdo online, Pedro diz que ainda não está trabalhando com avaliação. “Nesse primeiro momento estamos só enviando o material, porque nosso objetivo é que o aluno não perca o vínculo com a escola e não perca o aprendizado. Mas estamos estudando a melhor forma de fazer a avaliação do aprendizado do conteúdo dado”.

Do ponto de vista do aprendizado, Pedro diz não ser possível o mesmo aproveitamento em relação às salas de aula. “Essa é uma atividade compensatória, mas nada substitui a sala de aula. A presença do professor e o ambiente alfabetizador são insubstituíveis”.

O nível de atenção dos alunos também não é o mesmo. Pedro diz que o professor tem toda uma didática de prender a atenção do aluno em sala de aula e em casa tudo proporciona o desvio de atenção do aluno. Com relação ao esclarecimento de dúvidas, Pedro diz que “nós tentamos de todas as formas esclarecer todas as dúvidas, mas nem sempre conseguimos saná-las totalmente. Sabemos da dificuldade para esclarecê-las totalmente”.

Ele diz que “é algo novo, não sabemos se está dando certo, mas estamos tentando e considerando a realidade da nossa comunidade escolar acreditamos que o WhatsApp tenha sido o modo mais fácil de proporcionar o acesso ao conteúdo.”

A diretora Vânia disponibiliza ajuda socioemocional

O colégio Dom Bosco criou, segundo a diretora Vânia de Almeida Leal, grupos oficiais de WhatsApp para comunicados e orientações às famílias. Além disso, os professores passaram a gravar vídeo aulas e enviar materiais de estudo a serem impressos pelo portal oficial que o colégio já dispunha.

O colégio é conveniado com o sistema de ensino Objetivo que também conta com um portal, através do qual o aluno acessa a apostila online com teorias, exercícios e vídeo aulas de acordo com a série/ano de cada aluno e firmou parceria com a Microsoft para implantar a plataforma com vídeos aulas mais interativas.

O colégio está, segundo Vânia, ministrando conteúdos novos e conta com plantão de dúvidas online do ensino fundamental ao médio. “Tem alguns probleminhas de acesso, mas quando isso acontece convidamos a família a vir na escola para receber apoio técnico”.

Vânia conta que, além desse suporte de conteúdo, o colégio também está oferecendo aos alunos e familiares, através do programa Escola da Inteligência, “apoio nas questões socioemocionais, através de lives, sugestões de filmes e atividades que envolvam toda a família. Também temos no colégio apoio psicopedagógico com uma profissional da área. Se alguém não estiver bem agendamos um atendimento presencial com a psicóloga”.

Ela conta ainda que através dessas ferramentas online o professor vai dando os conteúdos, solicitando trabalhos, os alunos do ensino médio fazem simulados e todos esses instrumentos avaliativos comporão a nota mensal.

Apesar de todo esse empenho, Vânia diz ainda não ter condições de avaliar o aprendizado por aplicativos e redes sociais em grau de aproveitamento em relação às salas de aula. “As aulas presenciais são super importantes e é o modo que conhecemos de ensinar. Nada substitui o trabalho do professor presencialmente. Com essa ferramenta diferente não conseguimos ainda avaliar o aprendizado, mas diante desse problema mundial foi a forma que encontramos de manter os alunos mais próximos da escola.

Categorias: Educação