Apae de Monte Aprazível implanta projeto de ensino virtual, com participação de pais

Em casa, a família ajuda nas atividades, anota dúvidas e dificuldades e fazem relatórios

 

Especiais, mas iguais, os estudantes da Apae de Monte Aprazível não tiveram “moleza” nestes tempos de pandemia. Como todos os demais estudantes das redes públicas e privadas de ensino, prevalece para eles o distanciamento social, mas não o ficarem distante dos estudos. A escola desenvolveu um programa virtual para que aprendam de casa, com o envolvimento da família.

Vera Nilce Regiani Pereira, diretora da unidade, diz que o ensino a distância para o seu público, que é a educação especial, é desafiador. Ela conta que houve alteração do plano de trabalho para aulas não presenciais durante a pandemia para dar continuidade aos atendimentos educacionais sob forma não presencial na escola especial mantida pela Apae. “Tivemos que lançar mão de novas estratégias pedagógicas para embasamentos de ensino individualizado com vínculo de família e escola, o que resultou na ampliação da visão dos pais”.

Na área assistencial, o atendimento, segundo Vera, também está suspenso e “estabelecemos novas formas de acompanhamento das famílias em isolamento social. Orientamos sobre prevenção, informações sobre auxílios financeiros criados pelo governo, isenção do pagamento da conta de energia por três meses para consumo mensal de até 220 kwh por família cadastrada no Cadastro Único e BPC, merenda em casa, defesa e direitos, dentre outros”.

Vera conta que as aulas a distância têm sido desenvolvidas através de reuniões de pais realizadas com horários agendados, sem aglomeração, seguindo as recomendações da Organização Mundial da Saúde, Ministério da Saúde e Secretaria Estadual de Educação para orientação das atividades em ensino à distância. “Os pais levam as atividades, contamos com o apoio deles na realização das tarefas, criamos uma folha onde os pais vão registrar, se houver necessidade, as dificuldades encontradas pelos filhos nas tarefas, para que possamos lhes ajudar, reforçando essa atividade. Os pais têm um prazo para devolver dessas atividades, para que possamos corrigir e novamente enviar outras atividades, seguindo o planejamento anual. Criamos um grupo de WhatsApp para cada professor com seus alunos, direção, assistente social e coordenação para eventuais dúvidas do dia-a-dia”.

O conteúdo foi planejado para 12 meses dividido em projetos semanais, incluindo também as datas comemorativas, currículo funcional e AVDs. “Nosso planejamento e atividades são desenvolvidos de acordo com o Plano de Ensino Individual (PEI) de cada aluno. Os pais relatam e o professor vai orientando as atividades individuais”.

A receptividade, segundo Vera, tem sido boa. “Sem um horário fixo a cumprir, o aluno se organiza para assistir às aulas e fazer as atividades da semana. Ele é estimulado a seguir seu próprio ritmo e desenvolver também o senso de disciplina e autonomia. Para darmos visibilidade a esse complexo trabalho desempenhado pela Apae, as famílias nos enviam fotos, vídeos via WhatsApp dos usuários realizando as atividades em casa. Pessoas mais tímidas que nem sempre se sentem à vontade para expressar suas dúvidas e opiniões, encontram no ambiente de ensino à distância um espaço livre para fazer suas contribuições. Inclusive as crianças que têm maior limitação estão interagindo significativamente. O EAD nos fez criar novas estratégias na qual a interação com famílias facilita a aprendizagem”.

A Apae Rural, onde há plantios, está sendo mantida por funcionários. “As atividades de cuidados, preservação e plantios da Apae Rural estão sendo mantidas normalmente, pois não sabemos quando haverá o retorno efetivo dos usuários. As verduras e legumes doamos para as famílias dos alunos diariamente e o excesso é vendido”.

Nova rotina

Marlei Aparecida de Souza, mãe de aluno matriculado na Apae, diz que se trata de uma nova rotina. “Meu filho não tem muita vontade de fazer as atividades, mas eu o estimulo para não ficar totalmente parado. Não é a mesma coisa, a gente precisa estar sempre do lado, ajudando, estipulando horário para ter uma rotina, mas é melhor do que ficar parado. As atividades passadas pelos professores são boas. Acredito que ele não terá muito prejuízo”, conclui.

Categorias: Educação